sábado, 12 de junho de 2010

Erich Mühsam


Ocupamo-nos hoje de uma figura apaixonante. Nado em Berlin em 1878, Erich Mühsam foi contra a corrente já desde cativo, sendo expulsado do instituto na adolescência por rebelde e socialista. Participou em atividades contraculturais na dinámica Alemanha de princípios de século, escrevendo obras de teatro, vivendo em comunas (como esta) e difundindo ideias comunistas e libertárias. Desde 1908 residiu em Munique, onde repartiu o seu tempo entre o cabaret, o jornalismo e a agitação política, sendo arrestado em 1918 por antibelicista. Ao remate da guerra foi proclamada em Munique a República Soviética da Baviera, da que foi um dos seus dirigentes. Encarcerado ao remate desta aventura, foi amnistiado em 1924 e continuou as suas atividades políticas e culturais, adotando um tom cada vez mais radical - numa sociedade cada vez mais reaccionária. A sua sátira do nacional-socialismo e as suas proclamas revolucionárias (assim como o feito de ser judeu) valérom-lhe um arresto em fevereiro de 1933, com os nazis no poder. Foi recluído em vários campos de concentração, sofrendo toda classe de torturas e maus tratos até a sua morte o 11 de julho de 1934.

Na Wikipédia (como não!) pode-se ampliar esta informação, assim como na web Erich In English, onde se podem atopar diversos textos seus. Entre eles o que resume o seu pensamento político, intitulado "Liberar a sociedade do estado-o que é o anarquismo comunista?".
.
(O meu agradecemento a Vítor Martins Cacharrom, enciclopédia ambulante do socialismo e colaborador nesta web, por quem soubem do camarada Erich.)
.

5 comentários:

O Garcia do Outeiro disse...

Sabedes se esse livro está disponível em castelhano, catalám ou português?

Gelo disse...

Devia ser um grande defensor dos animais. A tal ponto que os seus verdugos tentaram que fosse um chimpanzé que o matasse. Na internet circula o relato que não conseguiram e que o animal abraçou o anarquista.

Sr. J disse...

@Garcia: Não tenho notícia de que o livro esteja disponível em nenguma dessas línguas. O mais que atopei é eum documento em castelhano de 72 páginas sobre a sua vida, nesta ligação:

http://www.sindominio.net/etcetera/PUBLICACIONES/con_otros/

@Gelo: pois si, essa história aparece em vários sítios. Parece que entre outras "rarezas" era vegetariano...

Venho de atopar (e de engadir ao post) uma ligação com fotos duma comuna naturista onde estivo o Erich, bem curioso:

http://www.fileane.com/espagnol/monta_verita_espanol.htm

Sr. J disse...

Por certo Gelo, vejo que tes um novo blogue moi interessante. Não o abandones!

Gelo disse...

@Sr. J Graças, meu ;)

Vendo a ligação dos naturmenschen tenho mais vontade de me centrar na relação entre amor pola natureza (biofilia) e inclusão social.

Naturalmente que essa gente é doutra época - e muito convulsa - e que nem sempre era mui racional (o próprio Hermann Hesse escreveu algum relato sobre o seu fanatismo) mas acho que havia algo de válido no seu cerne. Sobretudo agora que começamos a suspeitar que não podemos continuar crescendo economicamente para sempre.